Por dentro das Disfunções Urinárias

Incontinência urinária após prostatectomia: é possível tratar

Perda de urina, urgência para fazer xixi, ir várias vezes ao banheiro durante o dia e a noite... Essas características são típicas de quem sofre com bexiga hiperativa ou incontinência urinária, comum não apenas em mulheres, mas também em homens após a retirada da próstata (prostatectomia).

A medicina atual vem investindo cada vez mais para que precisemos cada vez menos de procedimentos cirúrgicos no tratamento de câncer, especialmente com o objetivo de evitar suas possíveis sequelas. No caso específico do câncer de próstata, de 20 a 50% dos pacientes tendem a desenvolver incontinência urinária após a prostatectomia. Mas, uma vez acometido pela incontinência, é importante que o homem saiba que há tratamentos que podem lhe devolver a qualidade de vida e até a cura, com o apoio de medicamentos orais e fisioterapia pélvica.

A fisioterapeuta especializada em disfunção urinária, Mônica Lopes (CREFITO RJ-43280), orienta que nos casos de prostatectomia é importante que o homem inicie os exercícios com a maior brevidade possível, facilitando a reversão do quadro. "Muitos homens postergam ou não fazem uso da fisioterapia, acreditando que a terapia é voltada apenas para mulheres, quando na verdade ela apresenta a mesma aplicabilidade com o sexo masculino, que também precisa fortalecer seu assoalho pélvico”.

O exercício consiste basicamente na contração dos músculos responsáveis pelo controle do fluxo da urina durante a micção ou no impedimento da liberação de flatulência e tem a vantagem de, uma vez bem orientados pelo fisioterapeuta, serem praticados em casa, no trabalho, no metrô, no carro, antes de dormir, ou seja, durante a rotina normal do paciente.

Importante mencionar que os medicamentos também integram o pós-operatório e auxiliam o paciente para que não seja prejudicado com a incontinência urinária ou qualquer outra disfunção urinária. No entanto, independentemente do tipo de tratamento, é essencial consultar um especialista para a melhor orientação para cada caso, assim como o devido acompanhamento e as readequações necessárias.

Lembre-se: disfunções urinárias não são normais e podem ser tratadas. Consulte um médico e mantenha sua saúde e bem-estar.