Mitos e Verdades

Mitos e Verdades

Perder peso pode ajudar a melhorar a incontinência urinária.
Verdade. À medida que a obesidade gera sobrecarga sobre a pelve e colabora para o desenvolvimento da disfunção, eliminar peso alivia a tensão nesta região e colabora para o tratamento da incontinência urinária.
 
Atividade física pode causar incontinência urinária.
Verdade. Exercícios de forte impacto – corrida, musculação, salto, ginástica olímpica, paraquedismo, entre outros – podem acarretar incontinência urinária porque durante a prática de atividade física a força da gravidade pressiona a musculatura de sustentação da região. No entanto, existem outras atividades físicas, de baixo impacto, que podem colaborar para a prevenção e tratamento do problema.
 
Fumar pode agravar a incontinência urinária.
Verdade. Algumas substâncias do tabaco enfraquecem o períneo e geram tosses crônicas que forçam a pelve, favorecendo a incontinência urinária.
 
Beber café piora a perda urinária.
Talvez. Apesar de não existir estudos comprobatórios e nem consenso médico a respeito, algumas evidências apontam que substâncias presentes na bebida estimulam o funcionamento da bexiga. Por isso recomenda-se que o consumo de café seja moderado.
 
Cruzar as pernas ajuda a conter a perda de urina.
Verdade. Cruzar as pernas ajuda a aumentar a resistência da uretra e pode ser útil em momentos de perda de urina, como nas situações de tosse.
 
A incontinência urinária é normal nos idosos.
Mito. A incontinência urinária não deve ser considerada normal em nenhuma faixa etária. Embora seja mais comum na terceira idade, ela pode acometer pessoas de todas as idades e por diversos fatores, devendo ser tratada igualmente.
 
Somente mulheres que tiveram parto natural estão sujeitas à incontinência urinária.
Mito. De forma geral, todas as mulheres, independente do tipo de parto, são  vulneráveis à incontinência urinária porque apresentam falhas naturais na musculatura do assoalho pélvico (também conhecidos como hiato vaginal e retal).
 
Observa-se, no entanto, que mulheres com experiência de parto natural apresentam mais ocorrências de bexiga hiperativa, o que poderia ser explicado pelo maior esforço e pressão sobre o assoalho pélvico durante o parto.
 
Homens também podem ter incontinência urinária.
Verdade. Apesar de a incidência ser maior em mulheres, homens também podem sofrer de incontinência urinária.   
 
Urinar várias vezes durante a noite é sinal de incontinência urinária.
Mito. A incontinência urinária está relacionada à perda de urina, não ao número de vezes que se vai ao banheiro. Por isso, é importante avaliar se a frequência de idas ao banheiro é igual ou maior que oito vezes - durante o dia e a noite. Caso a resposta seja positiva, é indicado consultar um urologista.
 
Bexiga hiperativa e incontinência urinária é a mesma coisa.
Mito. A bexiga hiperativa se caracteriza pelo aumento do número de vezes que a pessoa vai ao banheiro com urgência (mais de oito vezes ao longo do dia/noite). Já a incontinência urinária é a perda involuntária de urina, podendo ser um dos sintomas da bexiga hiperativa, mas não é a regra.